23/08/2010

O Amor dignifica a pessoa

Evangelho de São Lucas 7,36-50
E rogou-lhe um dos fariseus que comesse com ele; e, entrando em casa do fariseu, assentou-se à mesa.


37 E eis que uma mulher da cidade, uma pecadora, sabendo que ele estava à mesa em casa do fariseu, levou um vaso de alabastro com ungüento;

38 E, estando por detrás, aos seus pés, chorando, começou a regar-lhe os pés com lágrimas, e enxugava-lhos com os cabelos da sua cabeça; e beijava-lhe os pés, e ungia-lhos com o ungüento.

39 Quando isto viu o fariseu que o tinha convidado, falava consigo, dizendo: Se este fora profeta, bem saberia quem e qual é a mulher que lhe tocou, pois é uma pecadora.

40 E respondendo, Jesus disse-lhe: Simão, uma coisa tenho a dizer-te. E ele disse: Dize-a, Mestre.

41 Um certo credor tinha dois devedores: um devia-lhe quinhentos dinheiros, e outro cinqüenta.

42 E, não tendo eles com que pagar, perdoou-lhes a ambos. Dize, pois, qual deles o amará mais?

43 E Simão, respondendo, disse: Tenho para mim que é aquele a quem mais perdoou. E ele lhe disse: Julgaste bem.

44 E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: Vês tu esta mulher? Entrei em tua casa, e não me deste água para os pés; mas esta regou-me os pés com lágrimas, e mos enxugou com os seus cabelos.

45 Não me deste ósculo, mas esta, desde que entrou, não tem cessado de me beijar os pés.

46 Não me ungiste a cabeça com óleo, mas esta ungiu-me os pés com ungüento.

47 Por isso te digo que os seus muitos pecados lhe são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco é perdoado pouco ama.

48 E disse-lhe a ela: Os teus pecados te são perdoados.

49 E os que estavam à mesa começaram a dizer entre si: Quem é este, que até perdoa pecados? E disse à mulher: A tua fé te salvou; vai-te em paz.




Reflexão
Imaginemos a cena Jesus é convidado por um fariseu a uma refeição e, de a repente , entra uma mulher supeita identificada como pecadora, sem ser convidada e começa a banhar os pés de Jesus com lagrimas, secando-os com os cabelos, beijando-os e ingindo-os com perfurme. Todos os convivas estao de olho para ver qual a sera a atitude de Jesus.
Os fariseus de antigamente e os de hoje se julgam pessoas perfeitas, certinhas e justas e, com frequencia, não admitem conviver com pecadores e muito menos ser por eles tocados. Quando Jesus acolhe os pecadores e se deixa tocar por eles, logo surge alguem para immplicar, ha sempre alguem inconfromado com quem ama incondicionalmente com Jesus.
No evangelho  Lc 7,36-50 percebemos claramente duas atitudes contrastantes com relação a " mulher pecadora" a Simao ( o fariseu) e a de Jesus (o messias)
O fariseu não consegue entender a atitude de amor e arrependimento da mulher, so vê nela uma pecadora merecedora de exclusao e condenação. Ao passo de Jesus pecebe nos gestos da mulher a atitude de quem reconhece sua pequenez e esta disposta a recomeçar vida nova, por isso , declara : os muitos pecados que ela cometeu estao perdoados, porque muito amou, a gratidao estendida é proporcional ao perdao recebido.
Amor e perdao andam de mao dadas e são dons gratuitos de Deus.
Jesus nos ensina que não nos libertamos do pecado apenas com nossa forças, amas aceitando e acolhendo o amor e o perdao que vem Deus.
O perdao nos torna livres e capazes de amar. O gesto de acolhida e de perdao de Jesus dignifica aquela que era desprezada e marginalizada pela sociedade.
Fonte: Pe nilo Luza, ssp

Vocação é antes de tudo, dom de Deus!!!

"Antes mesmo de te formar no ventre materno, eu te conheci; antes que saísses do seio, eu te consagrei. Eu te constituí profeta para as nações" (Jr 1,4-5).

Oraçao Vocacional
Senhor Jesus,
Mestre da humildade,
vos que sois o Caminho
a Verdade e a Vida,
ajudai-nos a anunciar
a vossa Palavra
e ser fieis ao vosso chamado
nossa vocaçao é comunicar!
com vossa graça, possamos ser no mundo
mensageiros da paz,
da fé e do amor.
que sejamos , como Paulo
apostolos por vocação
Senhor Jesus, despertai generosas vocações
para o apostolado da comunicação.
enviai comunicadores para a messe,
gente disposta a deixar tudo
para seguir-vos na concretização
do vosso Reino entre nós.
Amem

18/08/2010

Homilia " Esta é a hora na nossa vida"

Evangelho (Mateus 20,1-16a)

— Ele está no meio de nós.



— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.


— Glória a vós, Senhor.






Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos esta parábola: 1“O Reino dos Céus é como a história do patrão que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. 2Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por dia, e os mandou para a vinha. 3Às nove horas da manhã, o patrão saiu de novo, viu outros que estavam na praça, desocupados, 4e lhes disse: ‘Ide também vós para a minha vinha! E eu vos pagarei o que for justo’.


5E eles foram. O patrão saiu de novo ao meio-dia e às três horas da tarde, e fez a mesma coisa. 6Saindo outra vez pelas cinco horas da tarde, encontrou outros que estavam na praça, e lhes disse: ‘Por que estais aí o dia inteiro desocupados?’ 7Eles responderam: ‘Porque ninguém nos contratou’. O patrão lhes disse: ‘Ide vós também para a minha vinha’. 8Quando chegou a tarde, o patrão disse ao administrador: ‘Chama os trabalhadores e paga-lhes uma diária a todos, começando pelos últimos até os primeiros!’


9Vieram os que tinham sido contratados às cinco da tarde e cada um recebeu uma moeda de prata. 10Em seguida vieram os que foram contratados primeiro, e pensavam que iam receber mais. Porém, cada um deles recebeu uma moeda de prata. 11Ao receberem o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão: 12‘Estes últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor o dia inteiro’.


13Então o patrão disse a um deles: ‘Amigo, eu não fui injusto contigo. Não combinamos uma moeda de prata? 14Toma o que é teu e volta para casa! Eu quero dar a este que foi contratado por último o mesmo que dei a ti. 15Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero com aquilo que me pertence? Ou estás com inveja, porque estou sendo bom?’ 16aAssim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos”.






- Palavra da Salvação.


- Glória a vós, Senhor.

Homilia


Na época de Jesus, no tempo da colheita das uvas, os grandes proprietários, pela falta de operários em função do excesso de trabalho, saíam várias vezes ao dia para buscar pessoas desempregadas num determinado lugar; todos sabiam – trabalhadores e senhores de terras – que neste lugar combinado era o ponto de encontro para a contratação de funcionários para a colheita das vinhas. Às 6h, às 9h, às 12h e às 17h eram os horários que os donos de vinhedos passavam nos lugares combinados para contratar empregados que estivessem dispostos a serem contratados; às 18h encerrava-se a jornada de trabalho.

A parábola está profundamente mergulhada dentro deste paradigma cultural; o paradigma encontra-se de forma mais marcante quanto às formas de merecimentos que cada um possui diante de Deus; ou seja, para os rabinos e doutores da lei, cada um é amado por aquilo que tem, por aquilo que faz, por aquilo que representa para os outros em termos de importância social e econômica e não por aquilo que é: filho, filha de Deus.

Tudo desenrola-se da melhor maneira possível em termos de trabalhos na vinha, até que termina a jornada de trabalho e chega a hora do pagamento. Não haveria problemas pelo fato de uns terem sido contratados antes ou depois; o problema – para os contratados – é que cada um recebeu o mesmo valor, e começaram a pagar os que chegaram por último. Quanta injustiça para a mentalidade de concepção meritória dos rabinos e doutores da lei. Para Jesus, o que importa é que cada um recebeu o que foi combinado, para dizer que não existe “mais ou menos” salvação para as pessoas; que o fundamento da salvação não está na resposta de cada um – passa por isso – mas se fundamenta no amor gratuito de Deus por cada um, não interessando a hora que se faz a experiência com o amor d’Ele.

Precisamos descobrir o nosso lugar na Igreja e entrar para o serviço do Senhor, pois todos temos muito o que fazer, principalmente ser nesta grande vinha, que é o Reino de Deus. É inadmissível que ainda existam tantas pessoas sem ter o que fazer, sem estarem ocupadas com o anúncio do Reino de Deus.

Trabalhemos exaustivamente para agradar o coração de Nosso Senhor; trabalhemos para a Sua maior glória, sem esperar recompensas. Quem busca recompensas – como os empregados das primeiras horas – sempre se frustrarão, pois tudo que recebemos e temos é pura dádiva de Deus e não fruto de nossos méritos.

Nós nos sentimos chamados pelo Senhor? Descobrimos nosso lugar nesta grande vinha que é a Igreja? Se estas respostas são positivas é sinal de que ainda nos falta uma coisa: jamais criarmos expectativas quanto àquilo a que temos direito. Por quê? Porque somos amados não por aquilo que fazemos e o quanto fazemos, mas por aquilo que somos: filhos e filhas de Deus, amados por Ele. Trabalhemos, então, com muito amor, pois amor com amor se paga.

Na vinha do Senhor, que é a Igreja, ninguém está autorizado a ficar fora. Nem que entremos na última hora, mas que entremos; entremos para ficar e tomar o nosso lugar e para ajudar a outros a descobrirem seu lugar. São muitos os convidados, mas muitos não têm tempo; estão ocupados com muitas coisas. Que pena, pois tudo nos será tirado, menos a melhor parte, aquela que Maria de Bethânia escolheu: a fé – como fruto de um estar constantemente sentado aos pés do Mestre para escutá-Lo.

Padre Pacheco
Comunidade Canção Nova

Viver para mim é Cristo.

Senhor, preciso Te dizer que é impossível me esquecer


Que não estou só nesta batalha entre o bem e o mal

A cada nova experiência, eu Te glorifico mais

Te ter é a maior diferença em mim



Se os bons combates eu não combater

Minha coroa não conquistarei

Se minha carreira eu não completar

De que vale a minha fé tanto guardar



Se perseguido aqui eu não for

Sinceramente um cristão não sou

A Tua glória quero conhecer

Ver a experiência de sobreviver...



Viver pra mim é Cristo, morrer pra mim é ganho

Não há outra questão, quando se é cristão

Não se para de lutar



Triunfarei sobre o mal, conquistarei troféus

Não há outra questão, quando se é cristão

Não se para de lutar... até chegar ao céu



Se calarem o som da minha voz

Em silêncio estarei a orar

Se numa prisão me colocar

Eu vou Te adorar



Se minha família me trair

Eu vou sonhar com Deus

Viver seus planos isso é parte

De uma carreira de cristãos

A perseverança nos bons propositos.

O que falta, por vezes, a muitos cristãos é a perseverança nos bons propósitos de seguir generosamente a Cristo. Há o entusiasmo pela figura do Divino Redentor e Suas palavras empolgam o coração. Acontece, porém, que tudo isso pode se dissipar rapidamente ao passar à realização concreta em ações bem definidas e a longo prazo. Vem daí a surpresa e, em seguida, a decepção e até o desânimo de continuar nas veredas traçadas pelo Mestre. Surge o vacilo e o titubeio. Qual o motivo de tudo isso? É que faltou uma reflexão profunda e sazonada, amadurecida. Fora fruto de um arrebatamento súbito e efêmero, talvez racional ou sentimental e sempre precipitado.






A afoiteza é um empecilho para uma existência cristã em plenitude. O cristão quer ser de Cristo, desse Cristo que é Deus e, ao mesmo tempo, Homem excelente, modelo de todas as virtudes humanas, percebe que junto d'Ele só há felicidade, mas se esquece daquilo que Jesus vai pedir nas ações do cotidiano. Não se lembra do que Ele disse: “Se alguém não tomar a sua cruz e me seguir não é digno de mim” (Mt 10,28). É preciso saber sacrificar as paixões, o comodismo, cumprir fielmente o dever de cada hora, não ceder às tentações diabólicas. Há forças hostis que necessitam ser dominadas. É preciso ser totalmente de Cristo e não de Lúcifer, pois este trabalha incessantemente no mundo para impedir a total vivência cristã.





Quem alertou sobre isso foi São Pedro: “Meus irmãos, estai atentos porque o demônio, como um leão a rugir, anda em derredor de vós, prestes a vos devorar. Resisti-lhe firmes na fé” (1Pd 5,8).





Não há tréguas nem quartel. O cristão quer, de fato, ser de Cristo e sabe que Ele é a personificação de todo o bem, do que há de melhor e de mais excelente; é Deus o próprio fim do batizado, a chave da salvação, da felicidade eterna. Esta constatação generosa compromete, porém, cada um a provas árduas e dolorosas. O maligno oferece riqueza, bens materiais, prazeres, luxo no comer e no vestir. Cristo, contudo, prega o desapego do mundo, a fuga dos deleites pecaminosos, o comedimento no se alimentar e no gastar. Lúcifer precipita o ser racional no rancor, na inveja, no ressentimento, no ódio. Jesus quer amor, pugna contra o egoísmo, perdão cordial, anistia radical. O demônio é o pai da mentira (cf. Jo 8,44); Cristo é a verdade personificada (cf. Jo 14,6).





A bandeira do diabo é a soberba; a de Jesus é a humildade. Então quem é de Cristo não quer outra glória senão a de Deus, nem outros triunfos do que os da santa causa da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo. Nada de vã glória, proeminências ilusórias. Cumpre arrancar as raízes da vaidade e da empáfia. Não há meio-termo entre Lúcifer e Cristo. Este afirmou claramente: “Quem não é comigo é contra mim” ( Mt 12,30). Ele quer a mansidão: “Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração” (Mt 11,29). Ele quer perseverança total: “Ninguém que, no ato de por mão ao arado, olha para trás, é apto para o reino de Deus” (Lc 9,62). Deseja pureza de consciência: “Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus”. Quer compaixão: “Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia”. Seu seguidor é agente da paz: “Ditosos os pacíficos, porque serão filhos de Deus” (Mt 5, 7- 9).





Em síntese, Jesus exige que, perseverantemente, se coloque em prática, custe o que custar, tudo que está no Sermão da Montanha (cf. Mt cap. 5-7, 13). Ele alertou: “Entrai pela porta estreita, porque larga a porta e espaçosa a via que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela. Mas quão estreita é a porta e apertada a via que leva à vida, e poucs são os que passam com ela!” (Mt 7,13). Portanto, sem perseverança, sem muita coragem os bons propósitos se evaporam, se tornam nuvens passageiras, sonhos dourados que logo desaparecem.

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.

16/08/2010

A paz Jesus Cristo e o amor de Maria estejam convosco!!
Galerinha.. Vamos atualizar esse blog!! Quanto tempo..
Que a galera do Chama Jovem anda fazendo!! Vamos lah.. por enquanto estamos em oração para ver que o Senhor planeja para nós... mas continuamos evangelizando ..
Há quase 1 mes atras aconteceu Missao Jovem..
Onde jovens  sairam em porta em porta falando a palavra Deus.. atras da Palavra, Musica , ou simples no ABRAÇO..
oia. rsrs .que o slogan foi esse mesmo da MISSAO foi essa.. ATRAVÉS DE UM SIMPLES ABRAÇO, PODEMOS TRANSFORMA CORAÇÕES.. pois nós jovens somos JUVENTUDE , OUSADIA  E SEDE DE VIVER!!
Vamos ver algum momento da Missao Jovem 2010!!



Galera, Parabens a todos que participaram desta Missao, onde a união faz força, todos os movimento que participaram..
Como dizem a MISSAO CONTINUA..
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget