24/03/2010

Papa Bento XVI diz ao jovens que o "Amor é chave de toda existencia"

Todo o homem - criado à imagem de Deus - é feito para amar e apenas tem vida plena quando vive para o amor.
"É esta a chave de toda a existência", diz Bento XVI na mensagem que enviou aos participantes do X Encontro Internacional de Jovens por intermédio do presidente do Pontifício Conselho para os Leigos, Cardeal Stanisław Ryłko.
 
MENSAGEM DE BENTO XVI PARA ENCONTRO INTERNACIONAL DE JOVENS
 
Ao Venerado Irmão


Cardeal Stanisław Ryłko

Presidente do Pontifício Conselho para os Leigos



Tenho o prazer de enviar as minhas cordiais saudações a Vós, aos colaboradores do Pontifício Conselho para os Leigos e a todos que participam do X Encontro Internacional de Jovens, que acontece nesta semana, em Rocca di Papa, com o tema "Aprender a amar". Com carinho especial me dirijo aos jovens delegados das Conferências Episcopais e dos vários Movimentos, Associações e Comunidades internacionais, provenientes dos cinco continentes. Estendo o meu pensamento aos ilustres oradores, que trazem para o encontro a contribuição de sua competência e experiência.



"Aprender a amar": este tema é central na fé e na vida cristã, e me alegro que tenhais a oportunidade de aprofundá-lo. Como sabem, o ponto de partida de toda a reflexão sobre o amor é o mistério do próprio Deus, porque o coração da Revelação Cristã é este: Deus caritas est. Cristo, na Sua paixão, no Seu dom total, nos revelou o rosto de Deus que é Amor.



A contemplação do mistério da Trindade nos faz entrar neste mistério de Amor eterno, que é fundamental para nós. As primeiras páginas da Bíblia afirmam, de fato, que: "Deus criou o homem à Sua imagem; à imagem de Deus o criou: homem e mulher os criou" (Gn 1, 27). Pelo próprio fato de que Deus é amor e o homem é Sua imagem, compreendemos a identidade profunda da pessoa, a sua vocação ao amor. O homem é feito para amar; a sua vida se realiza plenamente apenas se é vivida no amor. Após refletir por um longo tempo, Santa Teresa do Menino Jesus compreendeu assim o significado da sua existência: "A minha vocação é o Amor!" (Manuscrito B, folha 3).



Exorto os jovens presentes neste Encontro, a fim de que busquem, com todo o coração, descobrir a própria vocação para o amor, como pessoas e como batizados. É esta a chave de toda a existência. Possam, portanto, investir todas as próprias energias para aproximar-se de tal meta dia após dia, sustentados pela Palavra de Deus e pelos Sacramentos da Reconciliação e da Eucaristia.



A vocação para o amor assume formas diferentes de acordo com o estado de vida. Neste Ano Sacerdotal, me alegra recordar as palavras do Santo Cura d'Ars: "O Sacerdócio é o amor do Coração de Jesus". No seguimento de Jesus, os sacerdotes dão a vida para que os fiéis possam viver do amor de Cristo. Chamados por Deus para doar-se inteiramente a Ele, com o coração indiviso, as pessoas consagradas no celibato são também um sinal eloquente do amor de Deus pelo mundo e da vocação de amar a Deus sobre todas as coisas.



Gostaria, também, de exortar os jovens delegados a descobrir a grandeza e a beleza do Matrimônio: a relação entre o homem e a mulher reflete o amor de Deus de uma forma toda especial; por isso o vínculo conjugal assume uma dignidade imensa. Através do Sacramento do Matrimônio, os cônjuges são unidos a Deus e através de sua relação manifestam o amor de Cristo, que deu sua vida pela salvação do mundo. Em um contexto cultural em que muitas pessoas consideram o Matrimônio como um contrato temporário que se pode infringir, é de vital importância compreender que o verdadeiro amor é fiel, doação definitiva de si. Porque Cristo consagra o amor dos casais cristãos e se empenha com eles, esta fidelidade não somente é possível, mas é a via para entrar em uma caridade ainda maior. Assim, na vida cotidiana do Casal e da família, os cônjuges aprendem a amar como Cristo ama. Para corresponder a essa vocação, é necessário um sério percurso educativo, e este Encontro também se coloca em tal perspectiva.



Esses dias de formação mediante o encontro, a escuta das conferências e a oração em comum, devem também ser um estímulo para todos os jovens delegados a se tornarem testemunhas para os seus cntemporâneos do que tendes visto e ouvido. Trata-se de uma verdadeira e própria responsabilidade, para a qual a Igreja conta com eles, que possuem um papel importante a desempenhar na evangelização dos jovens de seus próprios países, a fim de que respondam com alegria e fidelidade ao mandamento de Cristo: "que vos ameis uns aos outros como eu Eu amei a vós" (Jo 15, 12).



Convidando os jovens a perseverar no caminho da caridade no seguimente de Cristo, também os lembro de nosso encontro no próximo domingo, na Praça de São Pedro, onde acontecerá a solene celebração do Domingo de Ramos e da XXV Jornada Mundial da Juventude.



Neste ano, o tema de reflexão é: "Bom Mestre, que devo fazer para alcançar a vida eterna?" (Mc 10, 17). Esta questão, colocada por um jovem rico, Jesus responde com um olhar de amor e um convite para o dom total de si, por amor de Deus. Possa este encontro contribuir para a resposta generosa de todos os delegados ao chamado e ao dom do Senhor!



Para tal fim, vos asseguro a minha oração por toda a juventude e, de coração, envio a Vós, Venerado Irmão, e àqueles que participam do Encontro Internacional, uma especial Bênção Apostólica.





Dado no Vaticano, aos 20 de março de 2010

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget